Cálculo tarifário e metodologias

por: SGT - publicado: 24/02/2016 19:54, última modificação: 01/03/2016 18:04
Nesta seção, você encontra informações sobre o cálculo da tarifa e as metodologias empregadas para a composição da tarifa de energia elétrica.

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO DA GERAÇÃO

  • Receita Anual de Geração

    Receita Anual de Geração

    A RAG é o valor a que o gerador tem direito pela disponibilização da Garantia Física, em regime de cotas de garantia física, de energia e de potência da usina hidrelétrica.

  • Cota de Garantia Física

    Cota de Garantia Física

    Os Contratos de Cota de Garantia Física (CCGF) são assinados por geradores e distribuidoras para assegurarem o fornecimento de energia elétrica.

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO DA TRANSMISSÃO

  • Receita Anual Permitida

    Receita Anual Permitida

    A Receita Anual Permitida (RAP) é a remuneração que as transmissoras recebem pela prestação o serviço público de transmissão aos usuários.

  • Tarifa de Uso da Transmissão

    Tarifa de Uso da Transmissão

    O pagamento do uso do sistema de transmissão é feito por meio da aplicação das Tarifas de Uso do Sistema de Transmissão – TUST, reajustadas anualmente.

  • Encargo de Conexão

    Encargo de Conexão

    O Encargo de conexão ao Sistema de Transmissão é remuneração que a transmissora recebe dos usuários conectados em DIT de uso exclusivo.

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO DA DISTRIBUIÇÃO

Voltar

Custos Operacionais

Custos Operacionais

por: SGT - publicado: 25/11/2015 16:33, última modificação: 10/02/2017 14:51

Os custos operacionais são aqueles associados às atividades de operação, manutenção, tarefas comerciais e administrativas, como os custos com leitura e entrega de faturas, vistoria de unidades consumidoras, podas de árvores, operação de subestações, combate às perdas, administração e contabilidade.

Nos processos tarifários não são reconhecidos os custos gerenciáveis das distribuidoras e compõem a Parcela B. Os custos são definidos a partir da identificação das melhores práticas entre as empresas, por meio da comparação entre as concessionárias, considerando as características das áreas de concessão. Perdas e qualidade são consideradas na apuração da eficiência.

Para saber mais leia o Submodulo 2.2 do PRORET.