TARIFA

Aprovados índices de reajuste tarifário para concessionária Energisa Sul Sudeste

Autor: ASSESSORIA DE IMPRENSA

Publicação: 11/07/2017 | 12:26

Última modificação: 11/07/2017 | 12:35

 

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) aprovou hoje (11/7), em reunião pública, reajuste nas tarifas dos consumidores atendidos pela Energisa Sul Sudeste. A empresa é concessionária resultante do agrupamento das concessões da Empresa Elétrica Bragantina S.A. (EEB), da Caiuá Distribuição de Energia S.A. (Caiuá), da Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S.A. (EDEVP), da Companhia Nacional de Energia Elétrica (CNEE) e da Companhia Força e Luz do Oeste (CFLO).

O reajuste tarifário da Energisa Sul Sudeste entra em vigor a partir de 12/7/17. As tarifas foram calculadas conforme o Contrato de Concessão nº 13/1999 e a Resolução Normativa nº 716/2016 que trata do agrupamento de áreas de concessões atendidas por distribuidoras de energia elétrica sujeitas a controle societário comum. As tarifas das cinco sub-áreas de concessão foram unificadas, e, portanto, o impacto a ser percebido por cada consumidor depende do subgrupo, da modalidade tarifária e da distribuidora que o atendia anteriormente, conforme tabela abaixo:

 

Empresa

Classe de Consumo – Consumidores cativos

Baixa tensão
em média

Alta tensão
em média (indústrias)

Efeito Médio para o consumidor

Consumidores residenciais – Subgrupo B1

EEB (SP)

-11% (redução)

-9,19% (redução)

-10,32% (redução)

-12,10% (redução)

Caiuá (SP)

0,64%

6,35%

2,13%

-0,85% (redução)

EDEVP (SP)

-2,37% (redução)

0,70%

-1,46% (redução)

-3,84% (redução)

CNEE (SP)

4,77%

7,85%

5,52%

3,36%

CFLO (PR)

-7,54% (redução)

13,01%

-0,60% (redução)

-8,93% (redução)

 


O efeito médio da alta tensão refere-se às classes A1 (>= 230 kV), A2 (de 88 a 138 kV), A3 (69 kV) e A4 (de 2,3 a 25 kV). Para a baixa tensão, a média engloba as classes B1 (Residencial e subclasse residencial baixa renda); B2 (Rural: subclasses, como agropecuária, cooperativa de eletrificação rural, indústria rural, serviço público de irrigação rural); B3 (Industrial, comercial, serviços e outras atividades, poder público, serviço público e consumo próprio); e B4 (Iluminação pública).

Ao calcular o reajuste, conforme estabelecido no contrato de concessão, a Agência considera a variação de custos associados à prestação do serviço. O cálculo leva em conta a aquisição e a transmissão de energia elétrica, bem como os encargos setoriais. Mais informações sobre reajustes tarifários podem ser consultadas no endereço eletrônico www.aneel.gov.br, no link entendendo a tarifa.