SUSTENTABILIDADE

Organismos internacionais debatem matriz e geração renovável da América Latina na ANEEL

Autor: ASSESSORIA DE IMPRENSA

Publicação: 08/03/2018 | 19:35

Última modificação: 12/03/2018 | 10:59



A ANEEL sediou nesta quinta-feira (8/3) reunião da Comissão Econômica para América Latina e Caribe das Nações Unidas (Cepal). O encontro contou com a participação de dirigentes governamentais do setor energético das dez principais economias da América Latina para discutir a adoção de políticas de promoção do uso eficiente de recursos energéticos na região e apresentar os resultados do programa Ecosud (Energy Complementarity and Sustentainable Development).

Na abertura da reunião, o diretor da ANEEL André Pepitone da Nóbrega falou sobre a matriz energética do Brasil, de característica totalmente renovável. “Temos uma grande quantidade de inciativas que promovem o desenvolvimento das fontes renováveis de energia. Ontem, por exemplo, a geração hidráulica somada às fontes eólica e solar responderam por mais de 85% do atendimento da carga de energia no País”, citou o diretor. “A ANEEL está muito entusiasmada com o projeto Ecosud, que irá caminhar e desenvolver as melhores práticas das energias renováveis na América Latina”, completou.

O diretor do escritório da Cepal no Brasil, Carlos Mussi, ressaltou que o Brasil é exemplo de alcance do objetivo de uma matriz energética composta por energias renováveis, especialmente com o crescimento da energia solar e eólica.

Segundo o chefe da unidade de Recursos Naturais da Cepal, Manlio Coviello, o desenvolvimento das fontes renováveis deve observar não apenas os aspectos ambientais. "Recentemente lançamos um documento sobre estilos de desenvolvimento do qual destacamos, entre três aspectos da eficiência, a eficiência da sustentabilidade, que engloba os aspectos social, econômico e ambiental”.

Em sua apresentação, o especialista em energia do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Juan Roberto Paredes, falou sobre “a rede do futuro”, que associa geração de fontes renováveis com conectividade sistêmica.

Os resultados do programa Ecosud, que incentiva a adoção de políticas de eficiência energética associadas à ampliação da matriz sustentável, foram apresentados pelo pesquisador Frank Leañez (Cepal/BID), pelo professor Glauco Taranto, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pelos professores William Wills (UFRJ) e Antoine Teixeira (Cired/França). Pelo conjunto de ações implementadas, Brasil e Chile são referências para os demais países da região e a complementariedade entre a geração hidráulica e as fontes não-hídricas (eólica, solar, biomassa) configuram uma positiva relação ganha-ganha.

O evento também contou com a presença do secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia, Eduardo Azevedo Rodrigues, e do Diretor de Estudos de Energia Elétrica da Empresa de Pesquisa Energética - EPE, Amilcar Guerreiro.