FRAUDE

Atenção: e-mails fraudulentos em nome da ANEEL

Nos últimos dias, têm chegado à Ouvidoria Institucional da Agência (OIN) relatos de consumidores reportando o recebimento de supostas mensagens da ANEEL acerca de cobranças de irregularidades.

Pesquisar Noticias

Período de: a
Voltar

ANEEL define novas tarifas para a Energisa Sul-Sudeste

TARIFAS

ANEEL define novas tarifas para a Energisa Sul-Sudeste

Autor: ASSESSORIA DE IMPRENSA

Publicação: $dateTool.format($dataFormatada, $dataCriacao)

Última modificação: $dateTool.format($dataFormatada, $dataModificacao)

 

Os consumidores da Energisa Sul-Sudeste (ESS) terão novas tarifas a partir de 12/7/18. O efeito será de 14,96% para o consumidor residencial (B1) da empresa, que atende 772 mil unidades consumidoras em 82 municípios nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná. A medida foi aprovada hoje (3/7) durante Reunião Pública da Diretoria.

A ESS corresponde a nova denominação social da Caiuá Distribuição de Energia S/A, que incorporou, em junho de 2017, as distribuidoras: Companhia Nacional de Energia Elétrica (“CNEE”), Empresa de Distribuição de Energia Elétrica Vale Paranapanema (“EDEVP”), Empresa Elétrica Bragantina S/A (“EEB”) e a Companhia Força e Luz do Oeste “CFLO”).

Confira abaixo os percentuais que serão aplicados para cada grupo de consumo.

Efeito médio por Grupo de Consumo*

Variação (%)

  Alta Tensão em média (indústrias)

16,74%

  Baixa Tensão em média

15,06%

  Média (Baixa Tensão e Alta Tensão)

15,55%


O efeito médio da alta tensão refere-se às classes A1 (>= 230 kV), A2 (de 88 a 138 kV), A3 (69 kV) e A4 (de 2,3 a 25 kV). Para a baixa tensão, a média engloba as classes B1 (Residencial e subclasse residencial baixa renda); B2 (Rural: subclasses, como agropecuária, cooperativa de eletrificação rural, indústria rural, serviço público de irrigação rural); B3 (Industrial, comercial, serviços e outras atividades, poder público, serviço público e consumo próprio); e B4 (Iluminação pública).

A revisão tarifária periódica reposiciona as tarifas cobradas dos consumidores após analisar os custos eficientes e os investimentos prudentes para a prestação dos serviços de distribuição de energia elétrica, em intervalo médio de quatro anos.