BANDEIRA TARIFÁRIA

Bandeira tarifária verde em dezembro

Condições favoráveis de geração propiciam mudança.

Pesquisar Noticias

Período de: a
Voltar

ANEEL assina no Palácio do Planalto contratos de leilão de linha de transmissão

TRANSMISSÃO

ANEEL assina no Palácio do Planalto contratos de leilão de linha de transmissão

A diretoria da ANEEL assinou nesta sexta-feira (21/9) os contratos de concessão com os vencedores do Leilão de Transmissão 02/2018

Autor: ASSESSORIA DE IMPRENSA

Publicação: $dateTool.format($dataFormatada, $dataCriacao)

Última modificação: $dateTool.format($dataFormatada, $dataModificacao)

A diretoria da ANEEL assinou nesta sexta-feira (21/9) os contratos de concessão com os vencedores do Leilão de Transmissão 02/2018, realizado em junho, dando a largada para investimentos de R$ 6 bilhões na construção de mais de 2 mil quilômetros de novas linhas.

Os contratos foram assinados pelo diretor-geral da ANEEL, André Pepitone, em cerimônia no Palácio do Planalto que contou a presença do presidente Michel Temer e do ministro de Minas e Energia, Moreira Franco.

Além de ter todos seus 20 lotes arrematados, o leilão atingiu o deságio médio recorde de 55,26%, o maior dos últimos 20 anos. Esse desconto na remuneração das novas concessões de transmissão vai gerar uma economia para os consumidores de cerca de R$ 14,1 bilhões, ao longo dos 30 anos dos contratos.

“Esses resultados demonstram a confiança dos investidores na qualidade e estabilidade do nosso marco regulatório, bem como na atuação segura da ANEEL como guardiã da estabilidade das regras e dos contratos”, disse Pepitone, em discurso durante a solenidade.

Os empreendimentos estão localizados nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

“Uma rede de transmissão sólida e cada vez mais fortalecida é crucial em um sistema elétrico como o nosso, com múltiplas fontes, que se complementam inclusive geograficamente. Essa malha garante que regiões que estão gerando mais energia abasteçam outras que estão com produção menor”, disse o diretor-geral da ANEEL.