TARIFA

MME, ANEEL e CCEE anunciam acordo com bancos que retira R$ 8,4 bi da tarifa de energia até 2020

Antecipação de pagamento da Conta ACR atenua reajuste em 3,7% em 2019 e 1,2% em 2020

Pesquisar Noticias

Período de: a
Voltar

Publicada portaria que amplia mercado livre

MERCADO

Publicada portaria que amplia mercado livre

Autor: ASSESSORIA DE IMPRENSA

Publicação: $dateTool.format($dataFormatada, $dataCriacao)

Última modificação: $dateTool.format($dataFormatada, $dataModificacao)



Foi publicada hoje (29/12), no Diário Oficial da União, a portaria Nº 514/2018, que diminui os limites de carga para contratação de energia elétrica por parte dos consumidores e, com isso, amplia o acesso ao mercado livre. Segundo o texto da norma, a partir de 1º de julho de 2019, os consumidores com carga igual ou superior a 2.500 kW, atendidos em qualquer tensão, poderão optar pela compra de energia elétrica a qualquer concessionário, permissionário ou autorizado de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional.

A portaria também dispõe que a partir de 1º de janeiro de 2020, os consumidores com carga igual ou superior a 2.000 kW, atendidos em qualquer tensão, poderão optar pela compra de energia elétrica a qualquer concessionário, permissionário ou autorizado de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional. O consumidor livre é aquele que pode escolher seu fornecedor de energia elétrica por meio de livre negociação.

A publicação da norma é resultado de um esforço conjunto entre a ANEEL e o Ministério de Minas e Energia (MME). Para o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, “o MME identificou que o mercado chegou a um nível de amadurecimento em que os agentes podem tomar suas decisões de forma individual. Nós precisamos trabalhar esse modelo com transparência, dando aos agentes as oportunidades de exercitarem seus direitos e buscarem o atendimento às necessidades do consumidor. Este é um primeiro passo de uma estrada que será percorrida com grande esforço” De acordo com o diretor-geral da Agência, André Pepitone, “a ampliação do mercado livre busca maior eficiência e competitividade no setor, com resultados positivos para os consumidores de energia elétrica, possibilita, também, a valorização das decisões individuais do consumidor, escolha que implica maior protagonismo e empoderamento. Sua realização de maneira gradual, minimiza os impactos para os envolvidos”.