GERAÇÃO

Leilões de energia da ANEEL e CCEE viabilizam R$ 4 bi de investimentos em renováveis

Os acordos firmados, que somam R$ 4 bilhões em investimentos futuros nas obras das usinas, terão duração de 20 e 30 anos e início de suprimento em janeiro de 2024 e janeiro de 2025

Pesquisar Noticias

Período de: a
Voltar

ANEEL debate regulação e eficiência energética em segundo dia de evento na Bolívia

REGULAÇÃO

ANEEL debate regulação e eficiência energética em segundo dia de evento na Bolívia

Autor: AID

Publicação: $dateTool.format($dataFormatada, $dataCriacao)

Última modificação: $dateTool.format($dataFormatada, $dataModificacao)

 

ANEEL integrou novos painéis no segundo dia do Curso de Regulação Energética, que acontece desde ontem 30/9 até 4/10, no Centro de Formação da Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID), em Santa Cruz de la Sierra – Bolívia.

Com o tema Mecanismos regulatórios para promoção da eficiência energética, o curso promovido pela Comissão Nacional dos Mercados e Concorrência (CNMC), em nome da Associação Ibero-americana de Entidades Reguladoras de Energia (ARIAE), tem como objetivo debater práticas e instrumentos regulatórios adequados ao progresso da eficiência energética.



A Agência realizou a abertura do evento, na segunda-feira (30/9), representada pelo presidente da ARIAE e diretor-geral da ANEEL, André Pepitone que moderou painel onde foi discutida a visão dos organismos internacionais, bloco que contou também com a participação do diretor Efrain Cruz.

Já nesta terça-feira (01/10), Pepitone participou de workshops em que teve a oportunidade de dialogar a respeito de temas como Transmissão e distribuição, Eficiência no consumo, Aspetos regulamentares (proibições, rotulagem da eletricidade e auditorias), Aspectos culturais (uso racional e segurança energética).

“Presidir a ARIAE é, além de uma honra, uma grande responsabilidade, sobretudo nesse momento sensível em que a transição energética avança, exigindo o aprimoramento da regulação para acompanhar as novas tecnologias e introduzir novos modelos de negócios. Um desafio a nós, reguladores, a inovar, ousar e a sermos criativos”, pontuou.