REGULAÇÃO

ANEEL abre consulta pública para regulamentar usinas híbridas

A Agência Nacional de Energia Elétrica abrirá nesta quarta-feira (21/10) a primeira fase da Consulta Pública 061/2020 para debater com a sociedade a normatização para o estabelecimento de usinas híbridas e associadas

Pesquisar Noticias

Período de: a
Voltar

Diretor-geral da ANEEL assume vice-presidência da ABAR e destaca papel da regulação para o país

SETOR ELÉTRICO

Diretor-geral da ANEEL assume vice-presidência da ABAR e destaca papel da regulação para o país

Autor: AID

Publicação: $dateTool.format($dataFormatada, $dataCriacao)

Última modificação: $dateTool.format($dataFormatada, $dataModificacao)

 

A importância das agências reguladoras para garantir a boa prestação de serviços aos consumidoras e atrair investimentos para o país foram o destaque do discurso do diretor-geral da ANEEL, André Pepitone, nesta quinta-feira (15/10), por ocasião de sua posse como vice-presidente da Associação Brasileira de Agências de Regulação (Abar).

“Neste retorno à ABAR, quero contribuir com o esforço coletivo e coordenado da entidade e de todas as agências filiadas para aprimorar ainda mais a regulação brasileira, fortalecer ainda mais as instituições que atuam com firmeza para que a qualidade do serviço público prestado aos consumidores seja cada vez melhor, para que os setores que regulamos sejam atrativos para investimentos”, disse Pepitone, que já havia atuado como diretor da ABAR entre 2012 e 2014.



Durante sua fala, Pepitone saudou o presidente da ABAR, Fernando Alfredo Rabello Franco, e a diretoria da Associação, e ressaltou a importância da regulação para a sociedade brasileira.

“Temos muito orgulho da nossa atuação. Nós conferimos segurança e conforto para os mais de 214 milhões de consumidores dos serviços que regulamos, sejam eles energia elétrica, uma rodovia recém-duplicada, a banda larga no home office ou o combustível de qualidade que abastece nossos veículos.

Para o sucesso de nossas atividades, nós, reguladores, não devemos nunca abrir mão do diálogo. Precisamos ouvir todos os lados, interagir com governos, com os legisladores, com investidores, consumidores e com outros reguladores para buscar sempre a solução que melhor atenda ao interesse público”, disse.

 

 

Link curto para esta página: bit.ly/3dxpTmf