Conta-covid terá taxa final de 3,79%+CDI e participação de 16 instituições financeiras

Autor: AID

Publicação: 09/07/2020 | 15:48

Última modificação: 09/07/2020 | 17:21



A ANEEL informa que o BNDES comunicou na quarta-feira à CCEE as condições  do financiamento às 50 distribuidoras de energia elétrica que manifestaram interesse em participar da Conta-Covid.

A operação contará com a participação de 16 instituições financeiras, incluindo o BNDES, e terá taxa de 2,8% ao ano + CDI, além de comissão de estruturação de 2,5% sobre o valor contratado, o que no acumulado totaliza 3,79% +CDI. Os empréstimos terão carência até julho de 2021 e vencimento em dezembro de 2025.

O sindicato de bancos participantes, que conta com instituições de diferentes portes, nacionais e internacionais, disponibilizou recursos suficientes para atender integralmente à demanda de R$ 14,8 bilhões  das 50 companhias. A composição dos aportes ainda será definida pela CCEE, mas os Bancos públicos ofertarão 29% dos recursos e os privados, 71%.

A iniciativa tem como objetivo preservar a liquidez das distribuidoras de energia sem onerar o consumidor.

Após essa comunicação, a ANEEL deve publicar despacho aprovando o valor global do empréstimo e a minuta dos contratos a serem celebrados. As etapas seguintes são  assinaturas dos contratos; publicação de despacho da Agência com as condições prévias do desembolso para as distribuidoras e, por fim, o desembolso dos valores acordados no empréstimo, previsto para ocorrer até o final deste mês.

Do ponto de vista do consumidor, a Conta-covid foi organizada para evitar reajustes maiores das tarifas de energia elétrica. O aumento da conta seria elevado por efeitos como, principalmente, o reajuste do preço da energia gerada em Itaipu, que acompanha a variação do dólar; a alta na remuneração das políticas públicas do setor (via cota da Conta de Desenvolvimento Energético – CDE); e o repasse de custos de novas instalações de sistemas de transmissão.

Sem a Conta-Covid, todas essas despesas seriam incluídas integralmente nas contas de luz já nos próximos reajustes, para serem pagas em 12 meses. Com a operação, esse impacto será diluído em prazo total de 65 meses.

A Conta-Covid garante às distribuidoras os recursos financeiros necessários para compensar a perda de receita temporária em decorrência da pandemia e protege os demais agentes do setor ao permitir que as distribuidoras continuem honrando seus contratos.

Confira abaixo a lista das dos bancos que compõem  a operação:
 

LISTA DE BANCOS

BNDES

Banco do Brasil

BOCOM BBM

CCB

Santander

Bradesco BBI

Itaú BBA

BTG

Citibank

SMBC

Votorantim

Alfa

ABC Brasil

Safra

JP Morgan

Credit Suisse

 
 

Link curto para esta página: https://bit.ly/2DoeY05